Visitar o Vale da Teixeira – Gerês

Com uma extensão aproximada de 3 km, o Vale da Teixeira é, provavelmente, um dos locais de maior beleza no Parque Nacional da Peneda Gerês. O vale acompanha o curso do rio Arado, a linha de água que ostenta, umas centenas de metros mais a jusante, a famosa Cascata do Arado, queda de água que atrai milhares de turistas a este local, não muito longe da povoação da Ermida, Terras de Bouro.

Rio Arado Gerês
Rio Arado, junto à ponte

Para visitar o Vale da Teixeira terá que se deslocar à Ponte do Arado, a mesma que dá acesso à cascata que falamos no paragrafo anterior. Aqui a paisagem é caracterizada por povoamentos florestais nas zonas mais baixas e pelo granito reluzente nos cumes elevados, mas não só…a morfologia do terreno é bastante acidentada, com grandes desníveis e alguns precipícios.

Vale da Teixeira
Zona de subida em direção ao Vale da Teixeira

De forma a chegar ao vale terá que vencer uma subida acentuada, aproximadamente 1,5 km, por isso é importante que esteja em boa forma física. Mas vá sem pressas, desfrute do cenário, é simplesmente arrebatador…

Mariola Gerês Vale da Teixeira
Mariola a indicar o inicio do Vale da Teixeira

Pelo caminho, verá algumas estruturas curiosas. O que no início parece apenas um amontoado de pedras, vai perceber que afinal, é arte. O seu nome é mariola, e serve para marcar os trilhos dos pastores para estes não se perderem, sobretudo em dias de nevoeiro, que no Gerês costuma ser muito cerrado e perigoso.

Curral do Camalhão Vale da Teixeira
Cabana de Pastor Prado do Camalhão
Prado no Gerês
Gado a pastar no prado
Prado no Gerês
Prado no Gerês e mariola

Chegado à vasta planície, não se admire se encontrar algum gado a pastar nos prados. O primeiro, mais a sul, chama-se Prado da Teixeira e o segundo, a norte, Prado do Camalhão. Em ambos os prados existe uma cabana, destinada ao pastor para pernoitar aquando da vezeira do gado.

Se a caminhada for ocorrer no Verão ou final da Primavera, poderá ir a banhos numa das muitas lagoas que por aqui se encontram. Dado que esta zona é bastante exposta ao calor, por falta de sombras, é uma boa forma para se refrescar.

Lagoa Gerês Vale da Teixeira
Lagoa no rio Arado onde poderá ir a banhos

Locais a visitar nas redondezas

  • Vale da Teixeira
  • Rio Arado
  • Cabana do Camalhão
  • Cabana da Teixeira
  • Cascata da Rajada
  • Aldeia de Ermida
  • Miradouro das Rocas
  • Cascata do Arado

O que Fazer?

  • Trekking
  • Caminhada
  • Canyoning

Alojamento no Gerês

Pesquise alguns espaços únicos para alugar no Gerês, desde bungalows, casas rurais, quintas, hoteis, e villas para desfrutar de uma estadia memorável no Parque Nacional Peneda Gerês.

Mapa do Vale da Teixeira


Visitar a Barragem de Vilarinho das Furnas

Situada entre a Serra Amarela e a Serra do Gerês, na bacia hidrográfica do Rio Cávado, encontra-se uma das barragens mais conhecidas em Portugal: a Barragem de Vilarinho das Furnas. O principal motivo dessa “fama” não se deve ao tamanho da albufeira, ou por ser palco de provas desportivas aquáticas, mas sim pelo facto de ter submerso uma povoação, de seu nome Vilarinho da Furna, e com isso ter ficado debaixo da água toda uma comunidade agro-pastoril dotada de uma organização comunitária perfeita, relevando para uma superioridade na economia local, pastoril e agrícola.

Barragem de Vilarinho da Furna
Barragem de Vilarinho da Furna

As origens de Vilarinho da Furna perdem-se no tempo e as primeiras referências surgem no século XIII, nas famosas inquirições de Afonso II e Afonso III, embora existam teses que defendam a sua existência desde o período romano, uma vez que a Geira passava na povoação.

Barragem de Vilarinho da Furna
Foto de algumas ruinas

No terceiro quartel do séc. XX a aldeia foi comprada, para a construção da barragem, e a despovoação foi efectuada entre 1969 e 1970 tendo a sua população dispersado pelos municípios vizinhos. A Barragem de Vilarinho das Furnas foi inaugurada em Maio de 1972.

Barragem de Vilarinho da Furna
Barragem de Vilarinho das Furnas

Hoje em dia é possível visitar as ruínas da aldeia, e ver de perto as casas, os caminhos e muros quando a barragem é esvaziada para limpeza ou na descida do nível das águas provocada pela seca.

Barragem de Vilarinho da Furna
Foto da albufeira

Não muito longe da barragem, pode visitar o Museu de Etnográfico de Vilarinho da Furna, integrado no edifício da Porta do Parque Nacional da Peneda-Gerês de Campo do Gerês. Aberto desde 1989, este espaço museológico foi criado com o objetivo de preservar a memória da aldeia de Vilarinho da Furna, retratando a vida quotidiana, a organização comunitária e os ofícios tradicionais.

Cascata junto ao caminho florestal que nos leva às ruínas

Locais a visitar

  • Albufeira da Vilarinho das Furnas
  • Museu da Geira
  • Porta do Gerês – Campo do Gerês
  • Gerês Equidesafios
  • Percurso Pedestre Águia do Sarilhão
  • Aldeia de Campo do Gerês
  • Parque de Campismo da Cerdeira
  • Ruínas da aldeia de Vilarinho da Furna
  • Rio Homem
  • Cascata
  • GR 34 – Serra Amarela
  • Mata da Albergaria
  • Portela do Homem

O que Fazer?

  • GR 34 – Serra Amarela

Alojamento no Gerês

Pesquise alguns espaços únicos para alugar no Gerês, desde bungalows, casas rurais, quintas, hoteis, e villas para desfrutar de uma estadia memorável no Parque Nacional Peneda Gerês.

Mapa da Barragem de Vilarinho das Furnas


Visitar a Inverneira de Pontes em Castro Laboreiro (Melgaço)

Implantada numa zona onde o espaço agrícola se confunde com o florestal, encontra-se a pitoresca aldeia de Pontes. Este povoado, situado a cerca de 6 km a sul da vila de Castro Laboreiro, concelho de Melgaço e apenas a 1 km da fronteira com Espanha, é uma inverneira, ou seja, um pequeno aglomerado temporário onde a população passava os meses mais frios do ano, daí o nome “inverneira”.

Inverneira de Pontes
Inverneira de Pontes

As inverneiras estão localizadas em áreas mais protegidas dos vales, como é o caso da aldeia de Pontes, enquanto que as brandas, implantadas em cotas superiores, serviam de residência para os habitantes nos meses da Primavera e Verão. Hoje em dia ainda essa tradição ainda existe, apenas com algumas famílias que praticam a migração transportando consigo o gado e alguns haveres.

Este curioso sistema de residência rotativa, nasceu pela necessidade de vencer o rigor dos Invernos e de rentabilizar ao máximo as zonas de pastagem e áreas agrícolas durante o ano. Este aspeto revela muito das gentes de Castro Laboreiro, sobretudo da sua capacidade de resiliência.

Forno comunitário Inverneira de Pontes
Forno comunitário de Pontes

Um dos mais importantes pontos de interesse a visitar, logo na entrada da aldeia, é o forno comunitário, encaixado no afloramento granítico, uma valiosa evidência de uma característica secular deste povo enquanto comunidade: a entre ajuda.

Tal como outras inverneiras da região, apresenta um conjunto histórico bem conservado e a maioria das habitações foi restaurada para fins turísticos.

Aldeia de Pontes Castro
Inverneira de Pontes

Locais a visitar nos arredores

  • Ponte da Cava da Velha
  • GR50 da Peneda Gerês
  • Aldeia da Assureira
  • Aldeia de Pontes
  • Ponte de Dorna
  • Vila de Castro Laboreiro
  • Rio Castro Laboreiro
  • Ponte da Assureira
  • Moinho da Assureira
  • Capela de São Brás
  • Trilho da Aldeia de Pontes
  • Aqueduto de Pontes

O que Fazer

  • GR50 da Peneda-Gerês

Alojamento no Gerês

Pesquise alguns espaços únicos para alugar no Gerês, desde bungalows, casas rurais, quintas, hoteis, e villas para desfrutar de uma estadia memorável no Parque Nacional Peneda Gerês.

Mapa da Aldeia de Pontes


Ponte da Cava da Velha – Castro Laboreiro (Melgaço)

Lançada sobre o rio Laboreiro, esta ponte terá sido construída na época romana e faria parte da via que entrava em Espanha pela Portela do Homem, passando por Estrimo (Espanha), Ameixoeira, Porto do Vaga e Assureira – Cova da Velha – Varziela – Castro Laboreiro.

A Ponte Cava da Velha, como é conhecida, três arcos, dois deles de volta perfeita, tipicamente romanos, e um outro de dimensões reduzidas. A estrutura é em alvenaria de pedra irregular e entre os arcos possui um talha-mar em forma de prisma, a montante, e retangular a jusante. O tabuleiro, com guardas de pedra e lajeado, é em cavalete, uma característica das pontes medievais, o que nos pode indicar que o monumento terá sido reconstruído nessa época.

Considerada uma das mais belas e melhor conservadas pontes antigas do Parque Nacional, a Ponte da Cava da Velha é um testemunho extraordinário das gerações passadas e constitui um importante exemplar de sobreposição de duas épocas e técnicas distintas, a romana e a medieval, tendo sido classificada como Monumento Nacional em 1986.

Calçada Castro Laboreiro
Calçada antiga em direção à Ponte da Cava da Velha

Esta ponte é também designada por Ponte Nova, certamente em alusão a uma mais antiga que aqui (ou muito perto) terá existido.

Ponte Cava da Velha
Ponte Cava da Velha

O acesso faz-se a pé, percorrendo aproximadamente 100 metros do antigo caminho em calçada que, cerca de 20 metros a Sul da capela de São Brás, cruza com a estrada municipal que deriva da estrada EN.202-3 ligando Castro Laboreiro a Ribeiro de Baixo e Eiras.

Agora pode visitar esta ponte através da Grande Rota da Peneda Gerês, a GR50, um fantástico trilho pedestre com cerca de 200 km de extensão distribuídos por 19 etapas, que atravessa o Parque Nacional desde a Ameijoeira, em Castro Laboreiro, Melgaço, no extremo noroeste, até Tourém, Montalegre, no extremo nordeste.

Locais a visitar nos arredores

  • Ponte da Cava da Velha
  • Calçada
  • GR50 da Peneda Gerês
  • Aldeia da Assureira
  • Aldeia de Pontes
  • Ponte de Dorna
  • Vila de Castro Laboreiro
  • Rio Castro Laboreiro
  • Ponte da Assureira
  • Moinho da Assureira
  • Capela de São Brás
  • Trilho da Aldeia de Pontes

O que Fazer

  • GR50 da Peneda-Gerês

Alojamento no Gerês

Pesquise alguns espaços únicos para alugar no Gerês, desde bungalows, casas rurais, quintas, hoteis, e villas para desfrutar de uma estadia memorável no Parque Nacional Peneda Gerês.

Mapa da Ponte da Cava da Velha